jusbrasil.com.br
21 de Fevereiro de 2020

A Ética e a Moral na Construção do Caráter Mundial! Part. - 1-2

Construindo Valores!

Rogério Silva, Teólogo
Publicado por Rogério Silva
há 3 meses

Vamos começar, ressaltando algumas questões a respeito da moral e da ética no mundo e, em nosso dia a dia.

Com mais de 225 anos de Constituição, a Polônia tem a segunda constituição mais antiga do mundo, ficando neste contexto atrás, apenas da Americana, mas que no continente Europeu, e neste sentido a constituição polonesa é a primeira a ser estabelecida.

Os Americanos, no entanto, desde os tempos mais remotos; como por exemplo, desde antes mesmo de sua revolução, já tinham seus princípios pautados na ética e na moral. Desta forma, ao se falar das leis de uma forma geral há de se entender, que elas estão pautadas me determinados princípios e que, mesmo que eles não seguissem uma filosofia específica, mas que já desde seus ancestrais, preservavam princípios éticos e morais e que estes, estenderam-se à política e demais áreas e classes.

Estes preceitos e ou princípios, têm traços ético-cristãos, enquanto que em determinadas nações, estes princípios parecem obscuros em sua essência!

Os Americanos; considerando hoje, outras constituições, como, por exemplo, de países dos quais não se tem liberdade de expressão e que não se respeitam os direitos de seu povo, eles prezam por seus dogmas que veem desde as primeiras colônias Inglesas na América, e que, mesmo que haja ainda hoje, alguns equívocos, considerando, é claro, que estes dogmas e princípios, são de origens judaico-cristãs, mas que reflete o que a maioria das constituições rege em sua essência, mesmo que de fato, exista alguma divergência na prática constitucional, mas que em seu âmago ele tem o propósito de servir ao povo, ou seja, em função dele e para ele, o povo, mundo afora. Desta forma, Alexis Tocqueville, relatou em seu livro I, Leis e Costumes:

O povo reina sobre o mundo político americano como Deus sobre o universo. Ele ê a causa e o fim de todas as coisas. Tudo provém dele e tudo nele se absorve (H).”.

TOCQUEVILLE, Alexis de. A DEMOCRACIA NA AMERICA - LEIS E COSTUMES - LIVRO 1, Editora: Martins Fontes - Coleção: PAIDEIA, Tradutor: Eduardo Brandão, SP. 2ª Edição - 2005, Pág. 68.

Os Americanos nunca seguiram determinados preceitos filosóficos tradicionais, nunca tiveram uma preocupação fundamentada neste sentido, muito embora se perceba que hoje, isto tenha mudado um pouco e, apesar de conduzirem seus princípios com bases em costumes tradicionais e que, estes costumes tenham caráter Cristão, mas que a filosofia nunca foi o foco das Americas! Suas leis sempre foram desprovidas de princípios filosóficos, mas digamos que de certa forma, bem provido em se tratando de princípios religiosos. Diferentemente de outros países, que se estabeleceram com muito mais aspectos filosóficos, mesmo que os Americanos defendam algum princípio que tradicionalmente, teve muito mais força e desta forma se estabeleceu em toda sua história.

A constituição Americana, por exemplo; como vemos em artigo da “Revista o Despertar”, ver referência bibliográfica, neste sentido, onde o Presidente Thomas Jefferson, um dos Pais Fundadores dos Estados Unidos, editou uma cópia do Novo Testamento retirando as partes que considerava que se referiam à Divindade de “Jesus Cristo” e deixando apenas as partes a respeito de seus ensinamentos que lhes proporcionavam princípios morais e éticos. Thomas Jefferson reverenciava “Jesus” de tal forma, que o tinha como o maior professor de todos os tempos já visto.

Os americanos a princípio e principalmente para formulação e construção de seu caráter, “o caráter de uma nação”, apesar de não lerem obras filosóficas, por causa de seus princípios, mas mesmo assim, apesar da falta de interesse neste sentido, eles se encaixam perfeitamente em um ou outro princípio, mesmo sem adotá-los em sua essência, mas vemos traços dos mesmos em toda sua trajetória de construção de seu país.

Bom! Apesar dos conflitos filosóficos que surgiram já desde o século XVII e dai em diante, que colocava em xeque várias crenças e inclusive filosofias tradicionais, a exemplo de, Ludwig Wittgenstein, Friedrich Nietzsche, dentre outros, que romperam de alguma forma com a filosofia tradicional, que se percebe a influência que a religião teve, por exemplo, nas origens da sociedade anglo-americana. Desta forma, nos Estados Unidos da América, as religiões se confundem com os hábitos, como se fossem um só. Sendo assim, percebe-se que a religião teve um papel fundamental na construção do caráter do povo Americano sendo a tradição judaico-cristã, a que mais teve influência, não apenas em princípios constitucionais Americano, mas também na maioria de outros países mundo afora!

Bom! Considerando isto, já pararam para pensar, em como estamos dando exemplos a nossos filhos. Como nossa criação estar agindo neste sentido, considerando é claro, a moral e a ética em nossas atitudes! Que exemplos estamos dando a eles, estes exemplos estão baseados na moral e na ética e se, que princípios morais e éticos são estes!? Será mesmo que estamos sendo justos com os mesmos, de forma que eles aprendam a serem justos, através da forma justa como os tratamos! Ou será que não estamos tratando os mesmos de forma justa; pois saibam que a forma como os tratamos, vai alimentando seu caráter, construindo o mesmo, sua personalidade e vai transformando meninos em verdadeiros homens, em verdadeiros guerreiros ou não; e claro que, não preciso dizer, mas é sempre bom enfatizar, que sendo isto uma metáfora, portanto, vale para as meninas também!

Esta sempre foi minha preocupação em respeito a meus filhos, mesmo antes de não os tê-los. Sempre soube de o quão importante seria dar bons exemplos e nunca me achava bom o suficiente, para ser pai, ou seja, eu achava que não tinha o mínimo necessário para ser um bom pai; ao menos era o que eu pensava! Hoje eu tenho duas bênçãos maravilhosas, um casal e eu agradeço demais a “DEUS” primeiramente e depois a mãe deles e, a eles mesmos, por os ter e por eles serem quem são.

Bom! Até que, como gostava muito de conversar com pessoas bem mais velhas que eu e, de ler e pesquisar a respeito e, até que encontrei o mais excelente dos livros, as “Escrituras Sagradas” e desta forma, fui entendendo aos poucos que, para que alguém seja um bom pai ou uma boa mãe; não perfeitos, é claro, mas, o melhor e mais digno de sermos reconhecidos e abençoados por “DEUS” e desta forma abençoando nossos filhos, portanto, um dos principais ingredientes, são a moral e a ética Cristã! Àquela que Cristo nos ensina nas "Escrituras Sagradas"... Claro que para isto, não é necessário estarmos dentro de uma ou outra denominação, mas elas são importantes sim, porque é lá, que somos orientados por quem tem muito mais experiências que nós, com a “Palavra de DEUS”! Mas, também é sabido que muitos, mesmo sem saber, têm atitudes Cristãs, pois ser Cristão, não tem nada a ver com estar dentro de uma denominação religiosa, mas sim, tem a ver com ter o caráter de Cristo e isto, independe de estarmos em uma ou outra denominação religiosa; mas como saber o que significa ter caráter Cristão! Aprendendo a “Palavra de DEUS” e seus princípios, e, como já ressaltei, precisamos das instituições religiosas, para aprendermos mais sobre este “DEUS” Maravilhoso que temos! Isto para que não passemos a estudar de forma errônea, mas, sendo orientados neste sentido. Pois ao estarmos desorientados, invertemos valores Cristãos. Assim como se precisa desde o primário até a faculdade de uma orientação no aprendizado, com as "Escrituras Sagradas" não é diferente e desta forma iremos aprender da forma devida. Pois sem sermos orientados, não aprenderemos nada, como tenho visto acontecer com muitos!

O que vou lhes contar agora vai deixar talvez alguns, meio que, perplexos, alguns vão ignorar por acharem que sempre podemos omitir algo, neste sentido, para o bem de nossos filhos é claro! Acontece, que nem sempre devemos omitir, mas sim falar a verdade!

Bom! Sempre criei meus filhos, baseados é claro, nos princípios contidos nas "Escrituras Sagradas" e de acordo com o que aprendi com a mesma e, portanto, com princípios baseados nas palavras de nosso “Maravilhoso DEUS”... Agora, parem para pensar um pouco, se nós escondemos algo de nossos filhos e depois eles descobrem a verdade, o que eles pensariam disto, como eles iriam entender, será que eles não imaginariam que nós mentimos para eles e, é provável que pensem assim, pois se eles pensassem que nós tínhamos que esconder algo deles e que, seria desta forma porque era o mais sensato que deveríamos fazer e, portanto, se eles pensam desta forma seria por causa de uma maturidade que deveríamos ter percebido e não percebemos, portanto, temos muito a avaliar sobre nossa criação, pois eles, nossos filhos, são nossos reflexos na sociedade!

As primeiras pessoas que os filhos se espelham, são seus pais, assim como os parentes mais próximos e em alguns casos, mesmo que raramente, em alguns amigos... Desta forma, são nossas atitudes que os mesmos vão se espelhar para refazerem em determinadas situações, baseados é claro, no que vivenciaram! Portanto, devemos nos perguntar, será que não estamos criando verdadeiros ditadores!? Será que demos a eles o direito de questionar! Veja bem amados, questionar, em nada tem a ver com desobediência, mas sim, trata-se de um meio e oportunidade que temos e; é natural eles procurarem entender, de nós como pais de fazê-los entender que suas atitudes geram consequências e eles, de aprenderem, que com suas atitudes eles precisam assumir as consequências das mesmas! Sem contar, que eles podem sim se achar injustiçados e nós com sabedoria; aliás, este é o maior problema, a falta de sabedoria por parte dos pais, devemos desta forma procurar orientá-los a perceber o que estão fazendo de errado e não cometer mais os mesmos erros!

Salmos 34:11 - "Vinde, filhos, ouvi-me; eu vos ensinarei o temor do Senhor.",

Salmos 89:30-32 - "Se os seus filhos deixarem a minha lei, e não andarem nas minhas ordenanças, - 31 se profanarem os meus preceitos, e não guardarem os meus mandamentos, - 32 então visitarei com vara a sua transgressão, e com açoites a sua iniquidade.",

Salmos 103:13 - "Como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o temem.",

Salmos 19:9 - "O temor do Senhor é limpo, e permanece para sempre; os juízos do Senhor são verdadeiros e inteiramente justos.",

Salmos 111:10 - "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; têm bom entendimento todos os que cumprem os seus preceitos; o seu louvor subsiste para sempre.",

Jó 28:28 - "E disse ao homem: Eis que o temor do Senhor é a sabedoria, e o apartar-se do mal é o entendimento."

Provérbios 1:7 - "O temor do Senhor é o princípio do conhecimento; mas os insensatos desprezam a sabedoria e a instrução."...

De fato, existem coisas que por um determinado período de tempo e por determinado motivo, devemos omitir, mas nunca mentir, e, por pouco tempo e seria bom gastarmos este tempo tentando encontrar uma forma de dizermos sabiamente a nossos filhos de o porquê de tudo àquilo, para que o mesmo entenda. Não podemos jogar na vida de nossos filhos, algo que irá mudar diretamente suas vidas, de forma irresponsável, nós temos que ser prudentes!

Bom, vamos ao fato! Certa vez, meus filhos se juntaram no dia dos pais, para comprarem para mim um presente melhor, eles compraram um sapato; eu detestei o modelo, muito embora hoje eu gosto dele, mas na época eu não gostei! E adivinha! Eu contei para eles, mas eu, é claro, amei a atitude deles de terem se juntado com aquele propósito e, claro que eu disse para eles que tinha amado o fato de eles terem se juntado para poder me presentear com um sapato melhor, mas eu não gostei do presente. Bom! Parece grosseiro não é!?

De fato, fomos criados de forma a mentirmos para agradar e a verdade, é apenas um mero detalhe! E, claro que se eu omitisse que não tinha gostado do mesmo, eu estaria manipulando-os, fazendo com que os mesmo cressem que eu tinha gostado do presente! Lembro-me que meus filhos, principalmente o rapaz, até brincou comigo, dizendo: “Ah! Eh! No próximo dia dos pais não tem presente” e minha filha, também acompanhou o irmão nessa... Bom! Perceberam do que isto se trata!?

Como disse claro amados que eu poderia ter omitido isto, mas eu estaria mentindo para eles no fim das contas, por fazê-los acreditar em uma mentira, mesmo que eles não soubessem disto, a princípio. Eu que sempre disse a eles, que se algum dia eles errarem, se chagassem a errar, que nunca mentissem para mim e nem para a mãe deles, pois se precisássemos tomar uma decisão, esta deveria ser pautada em uma verdade e nunca em uma mentira. Como poderia eu neste caso pedir algo que nem eu mesmo seria capaz de fazer, “falar a verdade para eles”, mas como já mencionei, claro que em alguns casos, talvez seja necessário omitir por um bem maior e até encontrarmos a melhor forma de contar-lhes a verdade!

Acontece amados, que não existe esta história de meio buraco, um buraco vai sempre ser um buraco e não importa suas dimensões, assim como uma mentira, sempre será uma mentira!

Neste sentido, Immanuel Kant afirma que nossos impulsos nos leva a uma prisão e, se nos deixarmos levar por eles, a exemplo de apetites, desejos e paixões não teremos autonomia Ética e, portanto, desta forma, nosso processo de tomada de decisões não seria mais livres, independentes, moral e ou intelectualmente, pois a Natureza nos conduz pelos interesses de tal modo que usamos as pessoas e as coisas como instrumentos para o que desejamos, ou seja, nós manipulamos as pessoas até alguém dizer, “basta”. A verdade é que não podemos ser escravos do desejo e neste ponto, entra em cena o Narcisismo. É bom lembrarmos ainda, que a este respeito, Augusto Cury tem um excelente livro, “A Ditadura da Beleza”, com mais de dois milhões de livros vendidos, só aqui no Brasil.

Bom! De acordo com Kant, devemos agir conforme o Imperativo Categórico, ou seja, o ato Moral deve concordar com a vontade e com as leis universais que ela dá a si mesma. Neste sentido, o Imperativo categórico é um dos principais conceitos da filosofia de Immanuel Kant. A ética, segundo a visão de Kant, tem como conceito esse sistema, que consiste em estabelecer deveres e agir conforme princípios dos quais considera que seriam benéficos caso fossem seguidos por toda a humanidade.

Kant afirma ainda, que é necessário tomar decisões baseados em princípios ético-morais, ou seja, sem agredir ou afetar outras pessoas.

Neste sentido, há de se atentar para a observância de valores morais, desta forma, a Axiologia é de fundamental importância, assim como se observou, por exemplo, na França com Raymond Ruyer, que foi um filósofo francês e ou Raymond Polin, também filósofo francês e, na Alemanha, com Max Scheler e John Rickert. Neste sentido, a axiologia estabelece uma hierarquia de valores morais, mesmo tendo o caráter generalista.

Embora contestada em sua definição por alguns estudiosos, a axiologia, quando conceituada como "ciência”, sendo desta forma a ciência dos valores morais é menosprezada por estes mesmos estudiosos, principalmente por sociólogos e filósofos. A axiologia é normalmente aceita, como uma das vertentes filosóficas que tem como objetivo estabelecer os valores. Os princípios éticos buscam estabelecer a justiça em meio ao comportamento do homem, diferenciando o que é certo e, o que é errado, assim como, o que é justo do que é injusto.

Na antiguidade os filósofos entendiam que as questões Éticas e Morais eram à base de toda uma sociedade e, desta forma, ela deveria ser analisada, estudada de forma a se alcançar a plenitude, a virtude dos valores morais. Já vimos que não apenas na idade média, mas em se tratando de alguns países e, desde os tempos coloniais, como é o caso dos Estados Unidos da América, que muito antes disto. A filosofia tanto influenciou, a exemplo de João Calvino assim como alguns filósofos, como foi influenciada pelo cristianismo e com vestígios de outras religiões, como é o caso do islamismo, e, desta forma, tanto a Ética, como a Moral, passaram a ser confundidas com valores e preceitos religiosos.

Sabemos ainda, que no renascimento e, nos séculos XVII e XVIII, os filósofos redescobriram a ética e a moral, como princípios fundamentais e desta forma, foram reconhecidas a necessidade de tê-las como base de quaisquer sociedades.

Como já vimos em artigos anteriores, em minhas postagens, ver referências no final, etimologicamente, apesar do equivoco, mas para alguns, moral tem o mesmo padrão e significado de ética, com a diferença de que é derivada da palavra latina, “mores”. Porém, cada uma dessas palavras significa algo dentro do mesmo tema. Por causa de sua diferença ser bastante sutil, pode-se e muitos as tem confundido. Só para relembrarmos um pouco mais, confira abaixo o conceito de cada uma dessas palavras.

Moral: trata-se da consciência adquirida pelo homem a partir do momento histórico em que ele começa a viver em sociedade. É todo ensinamento, normas sociais que regulam o comportamento humano, e que são adquiridos pela tradição e educação do dia a dia. Ou seja, a Moral é um conjunto de regras coletivas que facilitam o convívio, é mutuamente aceito e intrínseco ao homem em seu convívio social, é considerada os primeiros passos em direção ao bom convívio e preservação da vida, da paz e harmonia. É o princípio norteador primeiro!

Ética: trata-se do comportamento individual em relação à sociedade, mas também de certa forma é coletivo e que garante o bem-estar social. Ela define como o homem deve comportar-se diante do meio social.

Neste sentido, podemos dizer que a Moral é universal e é o princípio básico norteador de todas as nações, ou ao menos deveria ser e que a Ética são estes princípios Morais sendo regulamentados, desfragmentados em normas, regras, etc.

Um bom exemplo disto é:

Não matar”, mas em caso de uma gravidez de alto risco em que há a possibilidade de os dois, mãe e filho morrerem, mas que a probabilidade de se salvar a mãe ser maior que a de salvar o filho, a ética nos direciona no sentido de salvar a mãe, por existir maior probabilidade de se ter êxito e de ela gerar novos filhos!

Referências:

TOCQUEVILLE, Alexis de. A DEMOCRACIA NA AMERICA - LEIS E COSTUMES - LIVRO 1, Editora: Martins Fontes - Coleção: PAIDEIA, Tradutor: Eduardo Brandão, SP. 2ª Edição - 2005.

TOCQUEVILLE, Alexis de. A DEMOCRACIA NA AMERICA - SENTIMENTOS E OPINIÕES - LIVRO 2, Editora: Martins Fontes - Coleção: PAIDEIA, Tradutor: Eduardo Brandão, SP. 2ª Edição - 2004.

HEIDEGGER, Martin. Os pensadores. SP, Abril Cultural, 1989.

O Livro das Religiões: As Grandes Ideias de Todos os Tempos, Editora Camila Werner, Trad. Bruno Alexander, Ed. Globo, 2ª Edição, SP. Globo Livros 2015.

O Livro da Filosofia: As Grandes Ideias de Todos os Tempos, Editora Carla Fortino, Trad. Douglas Kim, Ed. Globo, 2ª Edição, SP. Globo Livros 2011.

O Livro da Psicologia: As Grandes Ideias de Todos os Tempos, Editor João Gonçalves, Trad. Sara Travassos, Carmo de Abreu e Alexandra Cardoso, Ed. Globo, 1ª Edição, SP. Globo Livros 2014.

O Livro da Mitologia: As Grandes Ideias de Todos os Tempos, Editora Camila Werner, Trad. Bruno Alexander, Ed. Globo, 1ª Edição, SP. Globo Livros 2018.

Álvaro L. M. Valls in: Ética e Contemporaneidade.

Valls, Álvaro L. M. O que é Ética - Coleção Primeiros Passos Nº. 177, Ed. Brasiliense, ISBN: 85-1101177-3, ano: 1994.

MONTAGNA, Leomar Antônio. ÉTICA COMO ELEMENTO DE HARMONIA SOCIAL EM SANTO AGOSTINHO - Ed. Humanitas Vivens Ltda. “Uma Instituição a serviço da Vida”. 1ª Edição, Sarandi, PR. Humanitas Vivens, ISBN:978-85-61837-09-9, 2009.

KANT, I. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Trad. de Guido A. de Almeida. SP. Discurso Editorial, 2009.

Kant: A liberdade, o indivíduo e a república. In: WEFORT, F. C. (Org.). Clássicos da política. v.2. SP. Ática, 2003.

KANT, I. Crítica da razão pura. Lisboa: Calouste-Gulbenkian, 1994.

Ética a Nicômaco: Aristóteles, Texto Integral, Ed. Martin Claret - Coleção: A Obra Prima de Cada Autor.

Reale, Giovanni. História da filosofia antiga: os sistemas da Era Helenística. SP. Loyola, 2008.

Descartes, R. Princípios da Filosofia. Lisboa: Edições 70.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Ed. Vozes, 1997.

SARTRE, J.P. O existencialismo é um humanismo. 4 ed. Tradução e notas de Vergílio Ferreira. Lisboa: Editorial Presença; Martins Fontes, 1978.

Keener, Craig S. Comentário Histórico-Cultural da Bíblia do Novo Testamento, Editora Vida Nova em sua Página 134.

BAUMAN, Zygmunt. Ética pós-moderna. SP. Editora Paulus, 1997.

Silva, Paulo Fernando da. Conceito de ética na contemporaneidade segundo Bauman, SP. Editora Cultura Acadêmica, 2013.

FIGAL, G. Sócrates: o filósofo. In: ERLER, M.; GRAESER, A. Filósofos da antiguidade: dos primórdios ao período clássico. Trad. Lya Luft. 1. reimpr. São Leopoldo: Unisinos, 2005.

MARCONDES, Danilo. Textos básicos de ética: de Platão a Foucault. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

MARCONDES, Danilo. Iniciação à História da Filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein/Danilo Marcondes. 8ª ed. - RJ. Jorge Zahar, 2004.

Silva, Rogério. “Que tolice, escreveu Sêneca, COMENIUS, Didática Magna (Séc. XVII)”:

https://rogeriorsf.wordpress.com/2019/01/11/que-tolice-escreveu-seneca-comenius-didatica-magna-sec-xvii/

Silva, Rogério in: REVISTA “O Despertar da Consciência”, A Verdade como você nunca viu. Edição de Lançamento

https://revistaodespertar.blogspot.com/2018/11/blog-post.html

Revista de Informação Legislativa, v. 24, n. 93, p. 65-98, jan./mar. 1987.

Origem da Constituição - Conceitos - Pressuposto básico da Constituição - Poder Constituinte - Limitações ao Poder Constituinte - Classificação das Constituições - As Constituições brasileiras - Resumo histórico

http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/181723

https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/181723/000426993.pdf?sequence=3&isAllowed=y

Loyo, Laura. Ética e moral: entenda o conceito e as principais diferenças. Stoodi, jul/2016, Dicas de estudo.

https://www.stoodi.com.br/blog/2016/07/08/qual-diferenca-entre-eticaemoral/

Prof. Dr. Álvaro L. M. Valls (Dep. Filosofia - UFRGS)

https://www.ufrgs.br/bioetica/eticacon.htm, acessado em, 08.11.2019.

José Roberto Goldim, Imperativo Categórico, in: Universidade Federal

https://www.ufrgs.br/bioetica/impercat.htm, acessado em, 08.11.2019.

Revista Brasileira de Direito Constitucional - RBDC

ISSN: 1678-9547 (impressa) - 1983-2303 (eletrônica)

Escola Superior de Direito Constitucional - ESDC

http://www.esdc.com.br/seer/index.php/rbdc/article/view/15/15

Cobra, Rubem Q. - Campanella. Site www.cobra.pages.nom.br, Internet, 1997

Silva, Rogério. Reformulando Conceitos. “Amoralidade”! - A Amoralidade como deve ser!, in: JusBrasil.com

https://rogeriorsf.jusbrasil.com.br/artigos/774950857/reformulando-conceitos-amoralidade

Silva, Rogério. O A da ignorância; da Amoralidade! - O A em xeque!, in: JusBrasil.com

https://rogeriorsf.jusbrasil.com.br/artigos/773783598/oada-ignorancia-da-amoralidade

Silva, Rogério. A Linha Tênue entre a Moralidade, a Imoralidade e, a Amoralidade! - Da Amoralidade a Cumplicidade!, in: JusBrasil.com

https://rogeriorsf.jusbrasil.com.br/artigos/773455879/a-linha-tenue-entreamoralidadeaimoralidadeea-amoralidade

Silva, Rogério. A Instituição da Ética e da Moral! - É da falência da Ética e da Moral, que Nasce o Caos!, in: JusBrasil.com

https://rogeriorsf.jusbrasil.com.br/artigos/772647416/a-instituicao-da-eticaeda-moral

Silva, Rogério. A Ética e a Moral no Banco dos Réus!, in: JusBrasil.com

https://rogeriorsf.jusbrasil.com.br/artigos/771164659/a-eticaea-moral-no-banco-dos-reus

Soares, Renan. [Crimes Omissivos] Não fazer nada pode constituir crime? - Como os crimes omissivos próprios e crimes omissivos impróprios são tratados pela legislação penal pátria, in: JusBrasil.com

https://renansoares7127.jusbrasil.com.br/artigos/533792459/crimes-omissivos-nao-fazer-nada-pode-constituir-crime, acessado em, 12.11.2019.

Habkost , Jean R.. Existe verdade absoluta ou tudo é relativo?

https://www.youtube.com/watch?v=w3plCKvURRE

Por: Eu Sou Aquilo

Uma abordagem do Prof. Jean R. Habkost sobre a moral e a ética.

Cortella, Mario Sergio. Ética e Corrupção

https://www.youtube.com/watch?v=BoPp_SLOm7k

Por: Thiago Nikitin

PCI Concursos - Aula 20 - Funções Essenciais a Justiça - Advocacia e Advocacia Pública

https://www.pciconcursos.com.br/aulas/direito-constitucional/constitucional-aula-20

PCI Concursos - Aula 21 - Conceito e Classificação de Constituição

https://www.pciconcursos.com.br/aulas/direito-constitucional/constitucional-aula-21

PCI Concursos - Aula 22 - Aplicabilidade de Normas Constitucionais

https://www.pciconcursos.com.br/aulas/direito-constitucional/constitucional-aula-22

PCI Concursos - Aula 23 - Do Estado de Defesa e Estado de Sitio

https://www.pciconcursos.com.br/aulas/direito-constitucional/constitucional-aula-23

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)